Miliumas

Miliumas
O livro em Movimento

sexta-feira, novembro 07, 2008

Curso realizado em Orlândia para IBL



Miliumas , o Livro em Movimento
apresenta:Curso realizado em Orlândia para IBL
lista das participantes que querem formar um Núcleo de Narradores Mediadores de Leitura :


Claudia AR Cunha


Emeb Fernanda


Patrícia Bebibi


EMEB Fernanda


Ivana Martins


Creche Francisco




Sonia Maria de Souza


EMEB Fernanda


Márcia Brandão de Freitas


EMEB Fernada


Edilaine de Oliveira Fernanda


Ana Lúcia Cunha de Oliveira


EMEB Francisco


Eva Lúcia Lorenti


Emeb Odete


Joana D'arc da Silva


Emeb Odette


Lilian Antonio Jujise


Emeb Odette


Aparecida helena Mieli


Luciana Moratto balieiro


maria Inês secaf Faina


Maíra Iva da Silva Trindade


Ivanilde Dutra Corrocini


Edilaine Ap.de Oliveira


Sirlei Norato


Maria José Santos Araújo (016)9254-3621


Eliana Aparecida L.Peron


Marília da Silva Alves


Juliana Maceió


Edna Aparecida Pereira Mieli


Fernanda Cristina da Silva


Ana Cláudia L.Rasteli


Raquel Dias Pereira de Sousa


Angela martins Chiquimi


èrica Simone Segato Freitas -016-91987618


Sueli Brugnara


Paula dos Santos Silva 016-3835-2438


Ana Lúcia Bruno 016-9189-1926


Paula 016-3835-2438




Fátima (016) 3835-1509




Aparecida helena Mieli




(o16)3726-5276


resumo de oficina :




http://1.bp.blogspot.com/_TuuKoUBZyGU/SvirHVK9ymI/AAAAAAAAAiI/DfleOfRfY_A/s400/Bib+PI+Orl%C3%A2ndia+172.jpg


http://3.bp.blogspot.com/_TuuKoUBZyGU/SviqhrKaxrI/AAAAAAAAAiA/ennbFVVb9aA/s400/Bib+PI+Orl%C3%A2ndia+170.jpg


http://4.bp.blogspot.com/_TuuKoUBZyGU/Svip5APl1xI/AAAAAAAAAh4/btNpjIWnvLY/s400/Bib+PI+Orl%C3%A2ndia+132.jpg


http://3.bp.blogspot.com/_TuuKoUBZyGU/SvipRHqYWfI/AAAAAAAAAhw/RFLkSxwhvpo/s400/Bib+PI+Orl%C3%A2ndia+169.jpg


http://3.bp.blogspot.com/_TuuKoUBZyGU/SvioIlp-EyI/AAAAAAAAAho/BN1bvN195BA/s400/Bib+PI+Orl%C3%A2ndia+126.jpg


http://1.bp.blogspot.com/_TuuKoUBZyGU/Svilq28HWDI/AAAAAAAAAhI/7fjK0e1Uw90/s320/Bib+PI+Orl%C3%A2ndia+131.jpghttp://2.bp.blogspot.com/_TuuKoUBZyGU/SvikdUMKooI/AAAAAAAAAg4/_OwT5HTDc6A/s400/Bib+PI+Orl%C3%A2ndia+171.jpg


Miliumas o livro em movimento apresentou na Cidade de Orlândia dias 6 e 7 de novembro sob o comando da equipe técnica de mediação de leitura do Instituto Brasil Leitor coordenado pela Ivani pelo Willian , pela Graça, Ariadne , Adriana , Dora , Roseli , Nayana e eu convidada para este evento .QUE HONRA ESTAR AÍ !SUPER TIME.


Resumo da oficina:


Técnicas de contação de histórias :


1.narrativa branca

2.interativa

3.projetada

4.interpretada

5.multimidia

6.musical

7.sólo

8.grupo


ARREDONDANDO a narrativa , imendando textos e mostrando a fonte.


Personagens e narradores diferentes para cada história :



personagens dançantes


atividades como DANÇAR LIVROS


trilha sonora


imagens ampliadas


composição com acalantos e brincadeiras tradicionais coreografadas .




Caminho de ínicio da pesquisa na arte de narração de histórias :

Bibliografia básica


Acordais Regina Machado DCL


Seis Propostas para o próximo milênio Italo Calvino


Contar histórias uma arte sem idade Betty Coelho
Expressão corporal na pré escola

Teatro na sala de aula Olga Reverbell

Dança na escola.


blogs

filmes




Respostas para as perguntas feitas naquela tarde pós almoço, cheio de luz!!!


1)La pergunta:-Como fazer para ser uma contadora de histórias que prende a atenção de todos?




Tecka:- Bom , primeiro lugar, querer narrar , saber porque está fazendo e criar o clima .Mais que tudo :-querer e depois ? Treinar , pesquisar muitas histórias e se entregar , diversificar, viver entre livros .Simples mesmo.E bom , eu acho!.








2)Nayse pergunta:- Existe um modo certo de contar?Qual a melhor maneira de fazer uma história ficar interessante prazerosa.




TEcka:- Certo que a motivação tem que estar presente .Acredito que seja estar com ela dentro do coração com respiração , presente e também , criar o clima , esperar , acalmar o espectador, relaxar , faz parte da pesquisa do contador de histórias , o silencio , a música é condutora nos dá a trilha , o caminho .E até saber silenciar quando preciso .E repensar se é a hora certa de narrar e para quem.A escuta é uma condição necessária ao treinamento.Misturar com música, poesias, notícias de jornais , rechear com o tema , fazer um bolo de livros .








3)Ju pergunta:- Como trabalhar com técnicas de contação de histórias com crianças de 4 meses a 11 meses.Quais as técnicas para motiva-las?




Tecka: Eles são muito sonoros os bebes , travalínguas, parlendas, mamerinques , hai hais e tem livro de plástico para banhos , livros tatéis e visuais e tem também a poesia da Cecília Meireles, Lalau e laurabeatriz...muita coisa linda no acervo .E aquela técnica básica de lembrar o que a mãe te contou, o acalanto que te ninou, tudo isso é muito rico para contação para bebes .As nossas raízes.O material de pesquisa principal, resgatar as nossas origens.E promover encontros como Gatinhar Entre Livros e Bolas.uma sala à meia luz , música linda e dançaremos entre livros.




" Havia a viola da vila , a viola o e o vilão .. "


leiam Ou isto ou aquilo da Cecília Meirelles agora!!!!


beijos mandem suas preferidas ...queremos trocar!!!!








4)S/N:- Eu não tenho dom para contar histórias , me sinto um pouco tímida .Então que meios usarei para cativar e despertar o interesse das crianças?




Tecka:- Se você tiver atenção na história vai captá-la e você pode envolve-los com sons, cores e imagens .A maneira sua de narrar vem com o tempo.Chame suas colegas para fazer duplas.Se sua maior felicidade for confeccionar os adereços ou conceber a atividade na biblioteca para primeira infância , pode ser também , tem trabalho a ser feito, fazemos o que nos manda o coração e o projeto brilha.


5)Ana Lúcia Bueno pergunta:-Adoro contar histórias para as crianças principalmente em forma de teatros.Será que elas por serem pequenas entenderão a história senão nos caracterizarmos adequadamente?


Tecka: O que significa adequadamente para ambas requer horas de pensamentos em cima desta idéia.Acredito que o narrador adequado a cada idade varia muito , por vezes a limpeza de gestos e cores possibilita mais foco no livro , na história que a caracterização .O entendimento da história estará baseado na harmonia da composição cênica , ou seja na junção dos elementos necessários para a narração clara limpa e poética que passa pela escolha dos elementos todos adequados .Quando estamos no início da pesquisa teatral de ampliação podemos cair no erro do exagero que não nos interessa .O que posso te dizer?Cuidado!Mantenha o foco na literatura ampliada.O teatro é apenas um recurso a mais.Falo isto pra mim também , hehehehe.


6)Angela Teresa pergunta:-O momento antes de contar a história , como é a concentração ?A preparação para que haja uma boa interpretação?


Tecka:-Tem o momento antes da contação que é na hora e a busca é de concentração para o início da narrativa, ponto zero , silencio absoluto, pés paralelos, joelhos soltos e braços soltos , quadril colocado e um fiozinho que nos liga ao céu ...O momento antes ainda é de pesquisa e preparo, de escuta e de busca da concentração máxima para a contação.História de cor, ou seja dentro do coração e a certeza da utilidade desta atividade tão necessária ao incentivo á leitura.
E tem o momento do preparo da contação , da composição cenica de contos.Para preparar uma história começa com uma leitura depois lemos mais sete em busca de elementos de músicas objetos , depois mais sete em busca de ligações com outros livros, poesias, filmes , danças, obras, notícias atuais de jornais .Mergulho profundo na obra mesmo.Depois gravo a trilha sonora e coloco as imagens ampliadas num DVD .




7)Claudia A R Cunha pergunta:-Quais os "pontos principais" na arte de contar histórias?


Tecka: querer-pesquisar-resgatar raízes- compor - se permitir- ritualizar -aperfeiçoar -pesquisar.




8)Pa pergunta:- Como prender a atenção da criança de 0 a 3 anos depois que você já fez de tudo para que eles prestem atenção?


Tecka:- O comando inicial é simples como de uma roda , é o que precisa pra começar, uma roda , depois envolvimentos através de movimentos de sincronicidade com tema relacionado ao livro que ja vai ser narrado , que foi lido e relido por você e vamos mostrando cenas, pedaços envolventes até chegar no livro mesmo.Pode usar um relaxamento antes , um centramento, fio terra.Depois é hora da resposta.Vamos tentando e nos comunicando.






9)Sônia pergunta:Qual a melhor forma de prender a atenção das crianças na hora da narração de uma história?


Tecka:- Então Sônia, acho importante ritualizar a atividade.Tanto no antes como no durante e depois.Uma hora especial de encontro através do livro.


sonia_algodaodoce@hotmail.com


10) Fe pergunta:-Como prender a atenção de crianças pequenas (0-2) anos.para contar histórias?Sem que elas se distraiam com facilidade?




Tecka: Tem que mudar a dinâmica a toda hora .Vamos entrando nas cabanas dos porquinhos , entrando na narrativa , colocamos músicas e tem muitas opções no kit da brinquedo biblioteca para primeira infância , tem toda uma sala pensada para isto, para envolve-los nesta hora.




ferzissima@hotmail.com


11)Sirlei Norato pergunta:Como contar histórias para crianças de 0 a 3 anos?


È possivel contar histórias sem adereços?(fantasias)?


Sirlei Norato Emeb Fernanda Fonseca.


Tecka:-Possível é mas para que se privar da delícia de usar tanto material que consta na sala?Como exercício é um bom exercício , na prática, desnecessário aqui no nosso caso de estar recebendo um material tão rico .


12)S/N pergunta:-O que fazer quando em uma sala de mais ou menos vinte crianças de 2 a 3 a nso .Onde uma porcentagens de crianças prestam atenção e as outras não?Paro a história?Continuo?Afinal qual o grupo de crianças que vou atender?por que derepente eu posso ajudar algumas cças e prejudicar outras?


Tecka: A gente pensa no grupo como um só.Se não temos absoluto silencio não prosseguimos e ajudar no caso é ser uma facilitadora do encontro criança/livro/brincadeira .Não vejo como prejuízo, tento outra coisa, vamos para outro canto da sala , deixo o kit nos levar .Como a Ivani disse na palestra dela , podemos fazer ligações com as cores, flores uma coisa puxa a outra .


13)Edna Maria Aparecida Miele pergunta:-Gostaria mesmo é de saber como usar o corpo , os personagens como mudar de um para o outro?Posso usar objetos qualquer para representar algo?




Tecka:-Acho que o estudo cuidadoso sempre é o melhor caminho para as escolhas certas .Dançar as histórias com partitura de ações e movimentos é muito belo.Quando encontramos o objeto certo para a história é muita harmonia e isto irradia.




!4)Lú pergunta:- Das técnicas que você utiliza, tem alguma que vc teve dificuldade de usa-la no início da sua profissão?Qual a mais indicada para uma turma de berçário?




Tecka :- Lú, toda técnica no início é muito dificil pois implica em mudanças de comportamento e tentar tirar o infantilismo da minha voz foi o mais complicado.Infantilismo adquirido num trabalho com crianças estereotipada.Para o berçário sugiro as poesias sonoras , histórias movimentadas e curtas .




15)Cristiane pergunta:- È importante que se conte histórias todos os dias na rotina escolar?
Tecka:-Sim Cristiane e acho fundamental que se ritualize, horários e dias para a atividade.pode ser uam vez na semana ritualizado ser melhor que todo dia por obrigação e castigo.Uma poesia por dia pelo menos para alimentar nossa alma.




16)S/N pergunta:-È preciso técnica para construir uma história?


Tecka: As histórias podem vir da razão , da emoção , são histórias , se voce quiz dizer da técnica de contação de histórias digo que você se refere à técnica enquanto preparo, inteligência e leveza , reflexão, consciência.Sim , quanto mais técnica, melhor.


17)Marília pergunta:-Sempre que estou contando história e chega uma terceira pessoa não consigo mais contar com o mesmo ritmo?Como lidar com esta situação?Você como contadora de histórias e atriz deve ter uma técnica?


Tecka:-Aqui o importante Marília é ter a história decorada para não perder o foco com interferências externas de qualquer ordem.E pedir que não interrompam , é uma saída de fortalecer sua pesquisa.




18)Fabi pergunta:-Não sei me expressar direito , gostaria de saber entrar na história e que a criança vivencie a história que estou contando .Não sei fazer isto.


Tecka:-Então Fabi, acho interessante que você se una a pessoa mais solta da sua escola e façam uma dupla, pode ser muito rico o contato.Percebo que sabe que tem um caminho a seguir.








18)Mara pergunta:- Como deixar as histórias mais atraentes para crianças de 3 anos ?Muitas vezes eles se dispersam no meio da história, o que fazer para que isto não aconteça?




Tecka:-OI Mara, aconselho você a mudar de dinâmicas constantemente. Faça um roteiro elaborado como uma história andante , vários livros e brinquedos pelo caminho.








19)Ivanilde pergunta:-Gostaria de saber se é preciso muito estudo para ser contador de histórias ou só aperfeiçoar o modo de contar.




Tecka: Partimos sempre de um ponto de origem de nós mesmos sem nenhum estudo acadêmico .Nossa origem e depois sim , claro continuamos estudando depois, sempre tem um começo de investigação, de estudo.Benvinda , sua pergunta é o início.




Ivanilde Ap Dutra Carrocine


Emb Fernanda




20)Raquel Dias Pergunta:- Como não cair na rotina?




Tecka: È um caminho de muita pesquisa e troca .Cada dia uma da escola conta para todas as crianças na sala de leitura nova , são muitas as combinações possíveis.Acho que não cabe rotina com tantos estímulos presentes no espaço mágico da Biblioteca para Primeira Infância .Pense nisso Raquel.








21)Joana pergunta:-Qual a história mais mágica de todos os tempos em sua concepção até hoje?




Tecka: Sou como as crianças em cada momento me vejo fixada em uma história ou outra , no momento é a história Onze Cisnes selvagens do Andersen por Monteiro Lobato.




joana:gmail.olm@hotmail.com




22)S/N pergunta:-Como me aperfeiçoar nesta arte de contar histórias?




Por favor dê dicas de onde poderemos obter informações sobre este assunto (cursos, livros , etc




Tecka: Bibliografia básica presente no kit :




A arte de contar histórias Betty Coelho
Escola,sala de leitura e biblioteca criativas


Expressão corporal na pré escola


Teatro na escola Olga Reverbell




Sites Clara haddad (Portugal)


Blogs vivaleitura


livros indicados




CDs Balzac e a costureirazinha de Shangai , Narradores do Vale de Jafet, labirinto do fauno.



23)Para contar histórias preciso estar mudando de voz para cada personagem?




Não necessariamente, não temos esta regra.Tem que estar confortável. Elas podem ser dançadas.


Tem sempre uma linguagem que combine com a gente.








24)Ana Cláudia pergunta:-O que fazer para prender a atenção e tornar a leitura prazerosa?




Tecka:-Experimentar , diversas maneiras , criar ambientes propícios, se unir , ler , ver filmes como narradores do Vale de Jafé da Eliane Caffe, Labirinto do Fauno, Balzac e a Chinezinha de Shangai, Os Irmãos Grimn etc.


Usar o espaço das Bibliotecas para a Primeira Infância entre si .








25)Eleonora Magali Gomes Ferreira pergunta:-Quero ouvir as perguntas e respostas dos outros e "Como manter os alunos atentos na história com grandes figuras ou curta?ou...




Tecka:È muito bom ter este senso comum de ler as questões de todas para compor a lição toda e poder começar a pesquisa individual.


Manusear o acervo é fundamental, deixar que eles façam suas escolhas e acompanhar narrando como se puder na hora, com firmeza e de coração, é isto, facilitar o encontro da criança/livro/brinquedo.








26)Gislaine pergunta:- Gostaria de saber como nós educadoras , fazer com que crianças hiperativas se "prendam" na história?




Tecka:- Temos que ter histórias hiperativas também Gislaine , que acompanhem o raciocínio e o movimento rápido hiperativo e depois variar ritmos mais lentos e silencios , vamos nos encontrando no caminho do prazer em ler.Receita ter a história decorada , trilha sonora e imagens guiando .E conhecer bem o Espaço mágico das Bibliotecas para a Primeira Infância de COR.








27)Luana pergunta:- Como lidar com crianças especiais ao contar histórias .As técnicas .È uma curiosidade.




Tecka:-Emprego neste caso Luana, a técnica de olhar para o que há de mais saudável do ser quando narro.E somos todos iguais.Eles vão amar conhecer o espaço para a Biblioteca para a Primeira Infância, tocar os livros, cheirá-los .








28)Vera Lúcia de Oliveira pergunta:-A minha maior dificuldade é de imitar os sons dos animais da história.




Tecka:Peça ajuda, às crianças ou às colegas. Não somos perfeitas nem completas. O espaço da Biblioteca para a Primeira Infância é um espaço vivo para encontros. Grupos que se completam.




29)Regina Cristina pergunta:


-Qual alternativa para contar histórias para crianças hiperativas ou com dificuldade de concentração?




Tecka:-Preparar o ambiente, relaxamento e histórias com variações rítmicas .








Emeb Izolina Zancopé Munari




30)Joana Pintar pergunta:-O que não podermos deixar de fazer quando contamos história?




Tecka:-Não podemos deixar de estarmos apaixonados pela história e pelo ato trasformador de narrar histórias , de levar conteúdos que possam mudar o futuro destas crianças, neste foco não cabe nossa vergonha pessoal e egoíca .


Sugiro passar horas em vivências entre livros entre si para depois passar para as crianças.








31)Paula pergunta:-Qual a técnica de relaxamento que um profissional usa para poder ser espontâneo e transmitir o que realmente quer ao público sendo ele infantil ou adulto?




Tecka:-Tem um livro da Olga Reverbel , teatro na sala de aula que mostra a importância de se ter um foco para dissipar qualquer incomodo da exposição em público para narrar histórias.Leia Expressão Corporal para a Pré escola e faça todos os exercício junto com as crianças , o teatro da Olga Reverbel também.Depois me conta!








32)Cassia Mazette Dias pergunta:-Como prender a atenção das crianças na hora de contar a história?




Tecka: Começa por prender inicialmente a nossa própria atenção, escolha algo que ame.Passe horas em reunião com as outras educadoras e criem em conjunto vivencias combinadas para livros e brincadeiras e vai anotando e devolvendo pra gente ver.








33)Denguinha pergunta:-Quando contamos uma história como interpretar os personagens para a história ficar bem real?




Tecka: Praticar , contar muitas e muitas vezes .Sem regras e depois utilizar o espaço das Bibliotecas para Primeira Infância completando a história narrada .










34)Quélli pergunta :-Para contar história sé preciso ter um cenário ou algum objetos em mão para concretizá-la?




Tecka:- Não Quélli, muitas vezes temos apenas nossa palavras, mas aqui neste trabalho focado na mediação o mais importante é ter o livro na mão , ele é o foco e a sala kit de leitura.O espaço maravilhoso da Biblioteca para a Primeira Infância tem muitas possibilidades de atividades combinadas que podemos usar de complementos para as narrações.Aproveitemos!








35)Eliana Aparecida Lima Peron pergunta:


-"Como poderemos tornar as histórias parte do cotidiano infantil , exemplificando na maioria das vezes , a moral de união, respeito, esquecendo e convivendo, com lobo mal e as bruxas."




Tecka:- Acredito que os Lobos e as Bruxas são reais , o mal que existe e está por aí a toda hora por aí nos ajudando a dar lições de educação informal , acredito que devemos envolver a família no movimento literário para uma transformação mais rápida e eficaz , leitura em família é um caminho bom .Ações como escolher o bichinho Tutti Frutt entre os bonecos e a partir daí buscar histórias Tutti Fruti.Fazer ligações diversas e pesquisas entre a família de brincadeiras, histórias e acalantos pode fazer um movimento de atração para a biblioteca e melhorar a vida de todos.








36)Kelly pergunta:- O que a criança se interessa mais , por histórias de livros ou inventadas?




São duas brincadeiras diferentes, elas amam as duas.Aqui no caso temos espaço para as duas maneiras de criar.Para fazer um caminho cventral você usa sua criação , traça uma história central inventada para uma vivência entre livros na Biblioteca para a Primeira Infância da IBL , uma história que receba as histórias dos livros .Termina com uma roda dançante.








37)Èrica pergunta...-O que é mais importante, na sua opinião , ao contar uma história, estória , istória...?




Tecka:-Não diferenciamos mais história e estória , só com H maísculo para aquelas que aconteceram que são fatos históricos H maísculo , bem e o mais importante é saber o quão importante será na vida daquela criança termais um tijolinho para construção de seu caráter.O mais importante é lembrar o quanto é importante para a criança ouvir uma história nova , isso é o mais importante, descobrir a história junto.Habitar o espaço mágico da Biblioteca para a Primeira Infãncia com planejamento e entrega.








38)Reginapergunta:


-Como fazer para atrair um aluno disperso, que nunca se interessa por nada , a ouvir uma história?No início vai bem , mas depois logo se desinteressa...




Tecka:- Tentar sem desistir .Não temos receitas de sucesso, só de possibilidades .Usar o espaço com aulas combinadas .Levar muita alegria através das músicas no espaço da Biblioteca para a Primeira Infância concebido pela IBL.Um livro que lembra uma flor que lembra uma brincadeira que lembra uma música.






39)Denise pergunta:


-Existem técnicas para que a história se torne prazerosa e que as crianças fiquem atentas e satisfeitas?




Tecka:-Acho que técnica melhor que o kit da IBL não existe. Esta união de tantas brincadeiras unindo ao livro. O espaço especialmente planejado para os eventos literários combinados, aulas andantes , cirandas de livros, festivais de histórias, brincar de ler , tudo isso cabe , ler para bebes , engatinhando entre livros, são eventos possíveis como, do que brincava minha vó ou o tutti fruti ganha uma salada de frutas e poesias na chegada .Quanta coisa pode ser.Vão fazendo registrando.




40)Angela M.Chiquini pergunta:


- Qual a maior dificuldade ao se contar histórias para um grupo grande de pessoas.E que estratégias há para sanar esta dificuldade.




Tecka:-Para mim a maior dificuldade é de ter que segurar o microfone e tenho como solução usar had set , microfone na cabeça.








41)Vanesa Gonçalves pergunta:-


- Uma criança entenderia facilmente uma história contada através da dança?




Tecka:-A dança é uma linguagem universal e completa a palavra, comece dançando O chapeuzinho vermelho e coloque cenários vivos que se desmancham como na praia e surge outro espaço . Lindo. Dançar faz parte da brincadeira da criança e deve ser preservada.È maravilhoso ter alguém no projeto que possa levar a dança para o mágico espaço das Bibliotecas para a Primeira Infância , a limpeza de movimento , a associação de idéias , tudo isto cabe no trabalho e é muito benvindo .Parabéns!








42)Irene diz:Livros à vontade, a escolher e tempo de lê-los.




Tecka:-Isso Irene, é a fórmula do sucesso de um trabalho de incentivo á leitura.Passar horas entre livros no espaço mágico da Biblioteca para da Primeira Infância , buscando Contos de Natal ou lembrando de Acalantos , isso é rico e faz parte da pesquisa.Te desejo isso de coração!Um hai kai ,




43)SN:-Como trabalhar as entonações vocálicas para desenvolver a história trabalhada?




Tecka:-È muito no sentimento não tanto na razão.Trabalhamos muito articulação e as entonações são intuitivas ou podem ser criadas racionalmente e colocadsa em partituras.depende da maneira confortável de cada narrador.




44)Juliana Rosa disse- me conte o outro lado de todos "contos de fada"...




Tecka:- Sim , temos livros que contam as histórias narradas pelos personagens secundários, um outro ponto de vista.O Flavio de Souza que inventou essa brincadeira muito inteligente .


Em Mulheres que correm com os lobos a autora juntou histórias que estão relacionadas aos mitos femininos e nossa formação arquetipica e sua ligação com os sonhos , é um lado muito rico de se olhar .Fique horas à toa no espaço da Biblioteca para a Primeira Infância e depois responda você mesma a esta pergunta pelo portal.Vou esperar!








45)Anete Santos-Como "prender " a atenção das crianças contando uma história sozinha com as crianças , sem que elas se dispersem fugindo assim do conteúdo da história?




A história tem que estar na ponta da língua e a gente estar envolvida por ela de maneira orgânica. Estamos presos e por isso prendemos e também o espaço da Biblioteca para a Primeira Infância contribui para a dispersão criativa .








46) Como diversificar a contar uma história e prender a atenção da criança.Tenho dificuldade em tornar a história viva.




Tecka:-Comece pela sua predileta de infância. Qual é?E treine com ela, ache uma música que combine e lá no espaço da Biblioteca para a Primeira Infância tudo pode acontecer.








47)Ana Paula pergunta:-Sou tímida para contar histórias, como posso melhorar?




Tecka:- Exercitar Ana Paula , sempre , todo dia .E focar na atividade maior de multiplicar leitores ,Traga alegria para a Biblioteca com música alta , dança das cadeiras , danças folclóricas .








48)Elaine dos Anjos Silva pergunta:-Queria saber técnicas de contação para bebês?




Tecka :-A sonoridade é bem interessante para os bebês , cores , música suave.


Frequentar o espaço para Bibliotecas para a Primeira Infância vai ser de muita magia , crie espaços para que eles possam engatinhar entre livros .E conta prá gente depois.Leia e decore Ou isto ou aquilo da Cecília Meirelles e vá declamando enquanto eles engatinham .










49)Rita de Cássia C.Costa pergunta :


Eu trabalho com crianças de 4 meses a 1 ano.Como faço para poder contar a história da cinderela para eles , por exemplo?




Tecka responde: Conte com bastante alma para si mesma , esqueça deles , lembre como sua mãe contava e eles pararão uns minutos para ouvi-la e se tiver o livro na mão vão se atraindo pela brincadeira divertida .










50)Patrícia Aparecida Pita pergunta:


-Como manter as crianças atentas durante a contação da história, uma vez que quando elas são muito pequenas o tempo de concentração delas é pouco.




Tecka:-Bom Patrícia , o tempo indicado para cada turma varia muito , para pequeninos o ideal do tempo varia entre 7 e 12 minutos , descobrir o tempo para cada turma e ampliar gradualmente é o esperado.E à medida que nos apropriamos do espaço novo da Biblioteca para a Primeira Infância e fazemos o trabalho de associação de idéias , as dinâmicas vivenciadas nas oficinas e técnicas acrescentadas podem fazer toda a diferença.Mande notícias, registre, estamos aguardando.








51)Devemos usar música de fundo para contar histórias?Como?




A música enriquece muito a contação se for bem escolhida e pode acabar com ela se for a errada , enfim , pensar na história e seus momentos é um trabalho de pesquisa mesmo sutil para enriquecer a contação.Podemos partir de trilhas básicas de músicas classicas alegres.Depois vamos ousando colocar mudanças em cada clima quando já temos a certeza do tempo da narrativa .








52)Maria Inês Secoffaina pergunta:-È válido inventar histórias?




Sim, Maria Inês é uma atividade muito rica, porém de objetivos diferentes, não para mediação de leitura, mas para exercício de imaginação. A criação de um roteiro planejado na hora de freqüentar a Biblioteca para a Primeira Infância é fundamental para o sucesso da atividade e passa pela criação de histórias sim.








53)Eva Lúcia Lorenti diz :-Gostaria de ser uma contadora de histórias.




Leia todo o conteúdo da postagem da oficina, todo o blog e esse portal, fique atenta os planos de livro e leitura do MEC, assista narradores na TV digital, youtube, etc , treine todos os dias obsessivamente , com alegria .Faça cursos de dança, teatro, artes tudo que aparecer que melhore sua comunicabilidade , rádio , cinema, assista filmes (passarei uma lista em breve).


Você já é uma contadora de histórias!








54)Ana Cláudia pergunta:-Como uma pessoa tímida pode estar desenvolvendo técnicas de contação de histórias?




Tecka:-Acredito que o foco na tarefa de mediação de leitura supere qualquer timidez mas o exercício constante ajuda muito também.Coloque música alta na Biblioteca para a Primeira Infância , crie espaço de magia alí, transformações para si e para o outro que lá passar.Muita alegria de ler e brincar que ficarão marcadas para sempre.








55)Maria José Silva Araújo pergunta:-Como devo contar história, de maneira que possa manter a atenção da criança até o fim da narrativa ?Sem ficar cansativo?




Tecka:-Bom Maria José , penso que ter um bom ataque e seguir o ritmo do começo ao fim mantendo o tempo de 7 a 12 minutos num só fôlego, sem abrir espaço para nada além de saborear aquele deleite de livro e depois?O espaço da Biblioteca para Primeira Infância a sua disposição , o kit para dar respostas ao que se ouviu para formarmos leitores que tenham respostas.Uma coisa puxa a outra .Do livro para o jogo, do jogo para o quebra cabeça e naquele dia o livro comandou todas as outras ações no espaço mágico.Mas prá você sim vai ficar cansativo porque cheio de movimentos mas tão gratificante que temos tudo de volta em dobro.




56)Marcinha pergunta:-Gostaria de saber como e o que fazer para conseguir a atenção de todos as crianças , enquanto conto a história, em grupo de 20 alunos .




Tecka:-Bem Marcinha , um grupo pequeno, todas as condições favoráveis, um espaço divino como é o espaço da Biblioteca para Primeira Infância, portanto planeje com cuidado sua vivência com livros no espaço mágico para leitura projetado pela Adriana que sabe de sombras e livros também , criado pela Ivani , faça sua "Aula andante" , coloque tudo que vivemos nestes 2 dias aí em Orlândia , lembre do que disse e mostrou a Dora , O Willian , A Ivani , a Nayana , a Ariadne e sua ciranda , a Roseli com suas histórias e lembre de todas nós que estamos por aí aproximando crianças de livros e se inflame de orgulho de poder mudar a vida de seus alunos e o mundo agradece , a água agradece e até o céu e depois você mesma nos responda esta pergunta pelo portal.








57)Paula pergunta:


- Como poderia contar as histórias com os livros.Receitas de heróis e receitas de princesas.




Tecka:-Sugiro que comece a contar no Espaço da Cozinha da Biblioteca para Primeira Infância , leve as crianças para fazer um bolo e depois coloque outros livros de heróis e princesas em exposição .Brinquem de Casa de heróis e princesas no espaço , pesquisa músicas , dos dvds e coloque bem alto ...Agora eu era herói e meu cavalo só falava inglês ...termina comendo um bolo de verdade .






58)Fatima Cristina S. Mendonça pergunta:-Como fazer com que o ouvinte (crianças , adultos etc )se interesse de imediato pelo conto?(história).




Tecka: Podemos garantir o silencio para a escuta mas o interesse é muito individual.Fazemos a nossa parte. Temos uma grande chance de acertar conhecendo a criança e seus interesses momentâneos.








59)Elaine pergunta:-O que fazer para que a criança se entregue a história e queira ouvir mais e mais.




Tecka:-Boa Elaine , todo o possível está sendo feito , pesquisando e você pode ler o que temos no kit da Biblioteca para a Primeira Infância , Expressão Corporal na Pré escola, o Teatro da Olga Reverbel , Biblioteca Criativa , Vgotski e acessar o portal , planejar com cuidado as vivências na Biblioteca para a Primeira Infância e vai registrando o antes e o depois.È um lindo caminho.Se entregue que seus alunos vão mergulhar contigo.






60)Fernanda pergunta:-Onde é possível fazer cursos para aprender a contar histórias?Existe alguma"pós" ou especialidade na área?Na nossa região existe algum curso?Onde encontramos?




Tecka: - Que pergunta ótima! Acredito que em Ribeirão no Sesc você terá especializações e em faculdades de artes acredito que a pós vai depender de seu tema de tese ,pode encontrar orientadores em SP , e a IBL vai estar à postos para orientações fazemos a formação que queremos , inteligentes que somos.Em Araras tem grupos antigos de narradores mediadores de leitura e vocês tem a Primeira Infância na mão para usar e criar.A prática é tudo.Narrar é preciso.Leia uma poesia ao dia .Comece já e daqui seis meses já terá uma história a contar .








61)Calmiranda Aparecida da Silva pergunta:-Como faço para vencer o medo e a timidez de encenar para outras pessoas as histórias.Pois nunca tive essa experiência enquanto criança.




Tecka:- Calma Calmiranda , contar histórias não é encenar histórias , descubra a sua maneira de infância, confortável, gostosa que pode ser dançada ou com bonecos projetada ou com leitura branca na hora de dormir .Fica tranquila e curta a sua Biblioteca para a Primeira Infância com tranquilidade.O resto vem com o tempo.Coloque músicas o tempo todo, encha aquela casa de alegria!!!!!E a timidez?Vai ter que ir embora!Junto com a tristeza.È um lugar planejado para ser para cima .Lugar de alquimia .De descoberta da sua maneira confortável de contar histórias.






62)Juliana pergunta:-Gostaria de saber quais gestos no rosto chama mais atenção da criança no momento que estamos contando a história?




Tecka -Juliana querida ,nunca planejamos gestos para o rosto, caras e bocas avulsos, nunca .Devemos melhorar nossa dicção , buscar clareza, leveza, .


Leia Seis Propostas para o próximo milênio do Italo Calvino e pense nesses atributos , leia Expressão corporal na pré escola, a Biblioteca criativa , a vida dos pintores, vivenciem suas técnicas diferentes .










Para todas:Passem horas sózinhas no Espaço Mágico da Biblioteca para a Primeira Infância .Troquem experiências positivas entre si.Digo , o Grupo interessado em fazer mediação , pode se encontrar toda segunda feira na Biblioteca para Primeira Infância com uma tarefa bem definida de que cada dia uma leve uma Vivência completa Entre Livros com :Acalanto, Poesia , Livros que combinem , Brincadeiras de rua coreografadas mudando ritmos , sombras e músicas.Registrem e coloquem no portal.Livros que combinam com poesias que combinam com jogos e assim vamos misturando e registrando lembrando a alquimia de Isolda , resgistrando o máximo possível , blog ando para estarmos perto mesmo longe com as ferramentas que a tecnologia proporciona unida a idéia maravilhosa do Instituto , criar uma rede virtual de saber e de troca para o uso da Biblioteca para a Primeira Infância.




benvindas ao blog




E para lembrar :




È importante traçar o seu próprio caminho na pesquisa sem julgamentos , com coragem.Posso falar do meu caminho de pesquisa na arte:



Leituras jornais, poesias, educação infantil, maternal.



Resgate de raízes acalantos histórias e brincadeiras tradicionais .



Ampliação universo musical.Olhar para as artes em geral.



Treinar o olhar
.


Como la loba -que vai catando ossos
.


Aguçar os sentidos .



Se integrar à alquimia de Isolda
.

Exercício práticos:


Juntando todas as técnicas trabalhadas no dia anterior:


As sombras da Adriana , brincadeiras urbanas da Nayana , brincadeiras construtoras da Dora , contação de histórias com a Roseli , coreografando as brincadeiras de roda na ciranda da Ariadne , e o que mais lhe vier, a partitura da leitura e exemplos de composições de livros.


dançando histórias com pauta de movimentos
sombra

músicas

brincadeiras


registros-blog e portfólio


site-mapa do brincar




Tutti frutti -exemplo de atividade que envolva a família e o kit.

Tarefa prática -divisão em grupos ;


Prosposta para criação de um grupo de narradores urbanos Já na cidade que se cadastre aqui, através do portal.


Realização de eventos mensais em 2010.

Troca de turmas para contação .


Que espaços ocupa o narrador de histórias hoje?

hospitais, creches, asilos, bibliotecas, escolas , livrarias, bares...etc.


Movimento que começa de um ponto e atinge o bairro, a cidade.


Mapear a cidade em busca de espaços para eventos de livros.


Criação de um grupo de pesquisa na arte narrativa brincante de mediação de leitura de vida e de mundo através da bibliobrinquedoteca inteligente criado especialmente para primeira infância do IBL.


Conhecimento corporal faz parte da pesquisa da palavra.Dançando livros .Livros na praça. Visitas a asilos, Creches , eventos semanais em cada sala com equipe especializada .




Planejamento Miliumas para IBL

Tecka Mattoso e as Miliumas histórias


Proposta de oficina e contação de histórias dias 6 e 7 de novembro de 2009.

atriz educadora /contadora de histórias


introdução:


la loba


mulheres que correm com os lobos


La Loba



Existe uma velha que vive num lugar oculto de que todos sabem, mas que
poucos já viram. Como nos contos de fadas da Europa oriental, ela parece esperar que

cheguem até ali pessoas que se perderam, que estão vagueando ou à procura de algo.

Ela é circunspecta, quase sempre cabeluda e invariavelmente gorda, e

demonstra especialmente querer evitar a maioria das pessoas. Ela sabe crocitar e

cacarejar, apresentando geralmente mais sons animais do que humanos.

Dizem que ela vive entre os declives de granito decomposto no território dos

índios tarahumara. Dizem que está enterrada na periferia de Phoenix perto de um

poço. Dizem que foi vista viajando para o sul, para o Monte Alban num carro

incendiado com a janela traseira arrancada. Dizem que fica parada na estrada perto

de El Paso, que pega carona aleatoriamente com caminhoneiros até Morelia, México,

ou que foi vista indo para a feira acima de Oaxaca, com galhos de lenha de estranhos

formatos nas costas. Ela é conhecida por muitos nomes: La Huesera, a Mulher dos

Ossos; La Trapera, a Trapeira; e La Loba, a Mulher-lobo.

O único trabalho de La Loba é o de recolher ossos. Sabe-se que ela recolhe e

conserva especialmente o que corre o risco de se perder para o mundo. Sua caverna é

cheia dos ossos de todos os tipos de criaturas do deserto: o veado, a cascavel, o corvo.

Dizem, porém, que sua especialidade reside nos lobos.

Ela se arrasta sorrateira e esquadrinha as montañas e os arroyos, leitos secos

de rios, à procura de ossos de lobos e, quando consegue reunir um esqueleto inteiro,

quando o último osso está no lugar e a bela escultura branca da criatura está disposta

à sua frente, ela senta junto ao fogo e pensa na canção que irá cantar.

Quando se decide, ela se levanta e aproxima-se da criatura, ergue seus braços

sobre o esqueleto e começa a cantar. É aí que os ossos das costelas e das pernas do

lobo começam a se forrar de carne, e que a criatura começa a se cobrir de pêlos. La

Loba canta um pouco mais, e uma proporção maior da criatura ganha vida. Seu rabo

forma uma curva para cima, forte e desgrenhado.

La Loba canta mais, e a criatura-lobo começa a respirar.

E La Loba ainda canta, com tanta intensidade que o chão do deserto

estremece, e enquanto canta, o lobo abre os olhos, dá um salto e sai correndo pelo

Em algum ponto da corrida, quer pela velocidade, por atravessar um rio

respingando água, quer pela incidência de um raio de sol ou de luar sobre seu flanco,

o lobo de repente é transformado numa mulher que ri e corre livre na direção do

Por isso, diz-se que, se você estiver perambulando pelo deserto, por volta do

pôr-do-sol, e quem sabe esteja um pouco perdido, cansado, sem dúvida você tem

sorte, porque La Loba pode simpatizar com você e lhe ensinar algo — algo da alma.


Mulheres que correm com os lobos de Clarice Pinkola Estes Rocco


Todos nós temos anseio pelo que é selvagem.velhas florestas e mulheres velhas


mulher selvagem rio abaixo do rio mulher aranha ser de névoa força espiritual que gera luz-força da dança conhecimento da alma ela ,carrega histórias e sonhos , palavras e canções , signos e símbolos alma feminina estado de transe apaixonado onde a contadora de histórias pressente e entra num universo entre os universos , no qual uma história é atar´da fazer-se da alma el duende , o vento que sopra o espírito sobre o rosto dos ouvintes na magia orvalhada das histórias vitaminas para a alma a volta ao mundo subterraneo das histórias



=====================================



1)Contação de histórias : Tristão e Isolda


http://www.galeon.com/projetochronos/chronosmedieval/tristao/sword.gif


O nascimento de Tristão Tristão, filho de Rivalen, rei de Loonois, e Blanchefleur, irmã de Marc, rei da Cornualhas. Recebeu este nome, pois sua mãe encontrava-se em profunda tristeza pela morte de seu marido. Foi educado por Rohalt, e acreditava que este era seu pai. Aprendeu com Gorvenal todas as coisas que um cavaleiro deve saber. Quando jovem, foi raptado por mercadores irlandeses, que o deixaram nas Cornualhas, onde conheceu o rei Marc, sem saber que este era seu tio e vice-versa. Depois de muito procurar Tristão, Rohalt encontra-o, e conta-lhe que seu verdadeiro pai era Rivalen e sua mãe, Blanchefleur, irmã de Marc. Voltou então a sua terra, reconquistou-a, deixando-a para Rohalt; e volta para junto do rei Marc (que já sabia que ele era seu sobrinho), levando consigo apenas Gorvenal.


O Gigante da Irlanda Para salvar Marc de uma dívida, lutou com gigante Morholt da Irlanda. Ficou ferido mortalmente, e pediu ao rei que o colocasse sozinho em um barco com sua harpa, e que o deixasse morrer em mar aberto. Foi, então, encontrado no porto de Weisefort, terra de Morholt. Sem saber, Isolda, a Loura, curou-o de seus ferimentos. Ninguém o reconheceu, pois o ferimento deformou seu rosto, e antes que fosse reconhecido, foi embora, voltando para o rei Marc.


O rei não queria casar-se, para poder deixar tudo para Tristão, mas quatro barões, que não gostavam de Tristão, exigiam o casamento do rei.






Isolda a fada dos cabelos de ouro


Então, ao pegar um fio de cabelo louro, mandou que buscassem a dona dele, e esta seria a sua esposa. Tristão, lembrando-se de Isolda, foi buscá-la.



http://www.galeon.com/projetochronos/chronosmedieval/tristao/potion.jpg
O dragão da Irlanda Foi a Weisefort, com cem homens, aportando lá, souberam da existência de um dragão, e quem o matasse, receberia a mão da filha do rei, Isolda, a Loura. Tristão matou a dragão, mas ficou ferido pelo seu veneno, e novamente Isolda o curou. Só que desta vez ela soube quem ele era. Mesmo assim, o rei da Irlanda, com a palavra empenhada, entregou sua filha a Tristão. Isolda fica perturbada e surpresa ao saber que seu futuro marido seria o rei Marc, e não Tristão.


O vinho mágico No caminho às Cornualhas, Tristão e Isolda tomam uma poção que os faz ficar apaixonados (tal poção fora dada pela mãe de Isolda, aos cuidados de Brangien). E, era para ser tomada por Marc e Isolda na noite de núpcias, pois quem dela tomasse, amariam-se com todos os sentidos e pensamentos, para sempre, na vida e na morte. Isolda casa-se com o rei Marc, mas na noite de núpcias, Brangien toma seu lugar.


A inveja dos barões Mas, os quatro barões invejosos desconfiam dos amantes, e contam ao rei, e mesmo sem nada flagrar, o rei manda Tristão embora. Este não consegue ir e hospeda-se perto do castelo, encontrando-se as escondidas com a rainha. Os barões percebem e contam ao rei o lugar e a hora do encontro. Marc vai até lá, mas os amantes percebem a sua presença, e com palavras sábias convencem o rei do contrário. O rei faz as pazes com Tristão e deixa que ele volte ao castelo.


As armadilhas do barão e do anão Mesmo assim, os barões insistem no fato, e dizem ao rei que este não vê porque não quer. Com a ajuda de Frocin,o anão vidente, flagram Tristão com a rainha em seu leito. Tristão, ainda assim, jura nunca ter amado a rainha com amor culpável, mas o rei não acredita, e manda matá-los, sem julgamento. Tristão, com a ajuda de Deus, consegue fugir e Isolda é entregue aos leprosos. Mas, Tristão consegue salvá-la e a leva para morar na floresta: eram fugitivos.



How Kinh Mark found Sir Tristam
Ficam na floresta durante muito tempo, até que um dia, um Monteiro os encontra e vai contar ao rei. Este vai até o local e encontra os dois deitados juntos, com uma espada nua separando seus corpos (isso significa garantia e guarda de castidade), o rei tem compaixão e não os mata, mas faz com que eles saibam que ele esteve ali e os viu. Ao acordarem, percebem que tinham sido descobertos, fogem, mas ficam intrigados com a atitude do rei, e chegam a conclusão que haviam sido perdoados. Resolvem então voltar, e Tristão entrega Isolda ao rei, e este a aceita, mas manda Tristão embora, a conselho dos barões. Antes de ir, Isolda pede de lembrança o cão Husdent de Tristão e lhe dá o anel de jaspe verde, presente de Marc, o qual deveria ser mostrado a ela, caso Tristão quisesse dar-lhe algum recado.


Isolda, para provar sua inocência perante a corte, faz um teste que consistia em segurar um ferro em brasa e sair com as mãos ilesas, depois do juramento. Ela passa. Depois disto, Tristão ainda não conseguiu ir embora, e toda a noite ia até um pinheiro, perto da janela da rainha, e cantava como um rouxinol, até que ela viesse ao seu encontro. Mas os barões desconfiam e ele tem de ir embora. Vai para Gales com Gorvenal, para as terras de Gilain. Esta fazia tudo para agradá-lo, mas era em vão. Então Gilain mostrou-lhe um cão mágico, Petit-Crû, que trazia preso no pescoço um guizo mágico que espantava todas as tristezas. Tristão pensou em Isolda, e quis dar-lhe o cão de presente, e para conseguir isto matou o gigante Organ. Mandou Petit-Crû para a rainha e ela recebeu como se fosse presente de sua mãe. Realmente o cão alegrou-a, mas não achou justo somente Tristão sofrer, e jogou o guizo em alto mar.


Tristão tentava fugir de sua dor correndo o mundo. E sem receber notícias de Isolda achou que ela o tinha esquecido. Chegou na Bretanha. Recuperou as terras do duque Höel, o qual tinha um filho, Kaherdin, e uma filha, Isolda, das Brancas Mãos, a qual o duque lhe deu a mão como recompensa.


O casamento de Tristão


Num ímpeto, Tristão aceita, mas na noite de núpcias, ao ver o anel de jaspe verde, lembra-se da outra Isolda e não consuma o casamento. Kaherdin fica sabendo do fato e toma satisfações com ele, que conta toda a sua história. Isolda, a Loura, fica sabendo do casamento e chora.


Kaherdin perdoa Tristão e vai com ele até as Cornualhas, para obterem notícias de Isolda. Lá chegando manda uma mensagem para a rainha, através de Dimas. Esta, ao ver o anel de jaspe verde, fala com Dimas, que lhe conta que mesmo casado, Tristão nunca lhe traíra. Marcam um encontro na estrada, nos espinheiros. Tristão ao ver a rainha, assobia como um pássaro, esta reconhece o canto, e marca um encontro no castelo de Saint-Lubin. Mas, eis que, um escudeiro, chamado Bleheri, vê Kaherdin e Gorvenal, e confunde Kaherdin com Tristão, por causa do escudo. Chamou-o, mas estes assustados, fogem. O escudeiro conta o fato a rainha, que irritada e ofendida, manda desmarcar o encontro. Tristão tenta justificar-se, mas Isolda não acredita. Ele, então vai atrás dela, disfarçado de mendigo, e pede sua clemência. Isolda o reconhece, mas mando os empregados enxotá-lo. Tristão volta para a Bretanha desolado, e a rainha se arrepende.



O disfarce de louco


Mesmo frente a atitude de Isolda, Tristão queria revê-la, e vai embora sem avisar ninguém. Veste-se miseravelmente e vai até o porto onde encontra uma nau que vai até Tintagel. Chegando lá, corta seu cabelo rente ao couro cabeludo, desenha nele uma cruz, lambuza seu rosto com uma erva mágica, e esta muda seu rosto. Pendura ainda uma clava no pescoço e dirige-se para o castelo de Marc. Chegando lá, ninguém o reconheceu, nem mesmo Isolda. Ele dizia ser Tristão, mas a rainha não acreditava, até que trouxeram Husdent, que foi o único a reconhecê-lo. O louco via a rainha todos os dias, ficava em seu quarto, até que começaram a desconfiar e ele teve de ir embora. Voltou para a Bretanha, onde teve que guerrear, e caindo numa emboscada, viu-se ferido por uma lança envenenada. Ninguém conseguiu curá-lo. E sentindo que iria morrer, quis ver Isolda mais uma vez. Pediu a Kaherdin que fosse buscá-la, e Isolda, das Brancas Mãos escutou, e enfureceu-se e pensou em vingança.


A vingança de Isolda da mão branca Kaherdin foi, levando o anel. Tristão pediu-lhe ainda que levasse duas bandeiras, uma preta e outra branca, e que na sua volta içasse a branca , se Isolda viesse, e a preta caso contrário. Ao ver o anel, Isolda, a Loura, fugiu com Kaherdin. Tristão definhava. Isolda demorou-se por causa de várias tempestades, mas finalmente estavam chegando com a vela branca içada. Isolda das Brancas Mãos disse a Tristão que Kaherdin estava chegando, e este perguntou qual a cor da bandeira asteada, e ela, maldosamente, respondeu que era preta. Depois de ouvir isto Tristão morre.


Vivem juntos através dos galhos Ao chegar, Isolda fica sabendo do ocorrido e vai até ele, deita-se junto a ele, beija-o na boca e no rosto, abraça-o forte e morre. Quando o rei Marc sabe da morte dos dois, vai até a Bretanha buscar seus corpos. Sepulta-os separados por uma capela. Mas durante a noite, da tumba de Tristão brota um espinheiro verde, com flores perfumadas e elevou-se por cima da capela até o túmulo de Isolda, três vezes o cortaram, três vezes ele voltou. E, sendo assim, resolveram deixá-los em paz.




2)Palestra: Vivência Entre livros


tempo de duração:2 hs

Tecka Mattoso tem um trabalho de 20 anos na área de incentivo á leitura através de técnicas de teatro e dança .


Tem um Ponto de leitura do Minc e faz parte da rede biblioteca viva.


A proposta aqui visa direcionar o olhar do educador para as inúmeras possibilidades de atividades para o incentivo à leitura com utilização de técnicas de teatro / dança e brincadeiras tradicionais elementos utilizados para compor a contação de histórias com o livro em cena , estimulando leitura entre os educadores para que depois transmitam a seus alunos.

necessidades tecnicas:


espaço amplo para trabalho corporal

aparelho de som

livros , bonecos e objetos



A atividade resultará em uma contação de histórias coletiva .



Bibliografia:



A arte de contar histórias
Escola,sala de leitura e biblioteca criativas


Expressão corporal na pré escola




Nenhum comentário:

Arquivo do blog